Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A kind of magic

Textos sobre tudo e sobre nada. No fundo, uma plataforma para reclamar da vida e dos erros ortográficos das pessoas, senão não seria uma aluna de letras.

A kind of magic

Textos sobre tudo e sobre nada. No fundo, uma plataforma para reclamar da vida e dos erros ortográficos das pessoas, senão não seria uma aluna de letras.

01
Fev21

Metaforicamente falando

B.

   Insiro-me no grupo de pessoas que vê além do óbvio e que, modéstia à parte, pensa fora da caixa. 🙄 Começar a ter outra interpretação das coisas é uma porta que se abre e que nunca mais se fecha: é como se os meus óculos teimassem em filtrar a informação que recebo e o óbvio fosse descartado com grande facilidade. Sou capaz de ir mais longe: se noutra vida fui alguma coisa, então devo ter sido uma metáfora ou uma alegoria! 😅😅

   Não vos quero desiludir, mas não sou uma alienada das teorias da conspiração ou daquele-grupo-cujo-o-nome-não-pode-ser-pronunciado (começa por illumi- e acaba em -nati). 🤐 Apenas gosto de observar além do que é evidente, inventar histórias mirabolantes na minha cabeça através de um simples gesto e acreditar nelas, por mais apalermadas que sejam. 👀

   Ser uma pessoa dos romances e dos finais felizes tem destas coisas: acabamos por ensinar o nosso cérebro a viajar para lá do evidente e a querer mais do que se pode ter. E talvez ninguém vá ler este texto da forma como eu pensava, mas a verdade é que todos deveríamos enfrentar a vida metaforicamente e tentar ver além do óbvio.

 

P.S.: Se noutra vida foram um recurso estilístico, qual foram? 👀

15
Fev20

O primeiro post: Reumatismo Ortográfico

B.

   Sou daquele tipo de pessoas que vê um erro ortográfico e revira os olhos: não aguento um "se pode-se", um "deiam" ou um "erritar". Então um "asserio" é a pedir à minha (pouca) sanidade mental que deixe o seu belo emprego. Existe alguma doença que impede as pessoas de passar por um erro ortográfico e ser indiferente? Acho que sofro disso a vários níveis. E não são muitos... E não são poucos... Bastantes até!

   Os trogloditas que massacram a língua portuguesa e pensam que sou chata, desenganem-se se acham que eu me importo que mo digam na cara. Fico a sofrer por dentro se deixo passar em branco e costumo chamar esta patologia de OLC (Ortografia-Loucamente-Contagiosa), mas o Reumatismo Ortográfico faz parte do ADN das pessoas que escrevem pior do que a minha avó analfabeta que só sabia os números. O Reumatismo Ortográfico é uma doença que avança gradualmente e que é contagiosa. Isto é, por exemplo, basta estar a conviver com algum desses australopithecus que uma pessoa começa logo a duvidar das suas capacidades e a auto-perguntar-se como é que se escreve tal palavra. É realmente perigoso! Por isso é que tento manter-me afastada dessa espécie que é cada vez maior e, ao mesmo tempo, tento preservar o meu conhecimento acerca da nossa língua.

   É assim que nasce esta página: em função destas duas doenças que assolam a minha vida. O conceito não é complicado (para me dificultar a vida, já me chega a faculdade), mas podem contar com muitaaaa diversidade e muitos relatos acerca de experiências que vou tendo.

 

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub